São Paulo Companhia de Dança retorna a Mongaguá para 2 apresentações

São Paulo Companhia de Dança retorna a Mongaguá para 2 apresentações

Foto: Rodolfo Dias Paes

Corpo artístico da Secretaria Estadual da Cultura e Economia Criativa, a São Paulo Companhia de Dança, volta a Mongaguá após seis anos para dois espetáculos gratuitos, nos dias 22 e 23 de fevereiro. Os eventos estão previstos para as 20 horas, no Centro Cultural Raul Cortez. Os interessados devem retirar os ingressos com duas horas de antecedência na bilheteria do local.

Foto: Juliana Hilal

Gerido pela Associação Pró-Dança e dirigido por Inês Bogéa, o grupo traz um repertório formado por Suíte Bernstein (2018), de Erika Novachi e Edson Guiu; Pas de Deux de O Cisne Negro (2014), criação de Mario Galizzi a partir da versão original de 1895 de Marius Petipa (1818-1910); e Pivô (2016), com coreografia assinada por Fabiano Lima.

Outras atividades – Além das exibições noturnas, a companhia apresentará um espetáculo especial para os estudantes da Rede Municipal de Ensino, no dia 22 de fevereiro, às 15 horas. Na ação, o público estabelece contato geral com o universo da dança: assiste às coreografias e aos trechos de obras do repertório do grupo, além de receber material didático com ilustrações assinadas por cartunistas brasileiros.

“Levar a São Paulo para diversas cidades do nosso Estado é uma oportunidade para disseminar a arte da dança aos mais variados públicos. Este é um dos objetivos da Companhia de Todos Nós”, explica Inês Bogéa.

Serviço
São Paulo Companhia de Dança: Suíte Bernstein (2018), Pas de Deux de O Cisne Negro (2014), e Pivô (2016)
Datas: 22 e 23 de fevereiro – às 20 horas
Local: Centro Cultural Raul Cortez (Av. São Paulo, 3465 – Vera Cruz – 3507-5477)
Entrada gratuita
Classificação livre

Obras que serão apresentadas:

Suíte Bernstein (2018)
Coreógrafos: Erika Novachi e Edson Guiu
Música: Leonard Bernstein
Iluminação: Wagner Freire
Figurinos: Balletto por Luciana Mantegazza
Inspirada nas principais obras de Leonard Bernstein para a Broadway, este espetáculo reflete as inquietudes do compositor, pianista e maestro, através de uma jornada pelos grandes musicais. Somado a tudo o que Bernstein representou, da importância da sua obra erudita à defesa da transição entre os gêneros eruditos e populares e a sua atuação como maestro das principais orquestras do mundo, nasce Suíte Bernstein. É o homem renovador, emocional e provocador, sempre determinado a romper fronteiras.

Pas de deux de O Cisne Negro (2014)
Coreografia: Mario Galizzi a partir do original de 1895 de MariusPetipa (1818-1910)
Música: Pyotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893)
Iluminação: Guilherme Paterno
Figurinos: Tânia Agra
Este duo marca o encontro do príncipe Siegfried com Odile, o Cisne Negro. Filha do feiticeiro Rothbart, ela deseja encantar o príncipe para que ele quebre sua jura de amor eterno à Odete, o Cisne Branco, durante um baile. Para enganá-lo, Odile sutilmente alterna sensualidade e doçura, e deixa transparecer toda sua maldade. Este é um dos grandes momentos do III Ato deste balé, um dos mais conhecidos do mundo.

Pivô (2016)
Coreografia: Fabiano Lima
Música: Quem sabe? (1859) cantada por Adriana de Almeida e executada ao piano por Olinda Allessandrini e Bailado dos Índios da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes (1836-1896), executada pela Orquestra do Teatro Municipal de São Paulo, sob regência de Armando Bellardi
Iluminação: Guilherme Paterno
Figurino: Cássio Brasil
Criada para o Ateliê de Coreógrafos 2016, a obra se vale de referências do basquete, do hip-hop e da dança contemporânea. Com músicas de Carlos Gomes, a coreografia traz para a cena o ambiente brasileiro com sonoridades conhecidas. O figurino de Cássio Brasil dialoga com a luz de Guilherme Paterno e evidencia as diferentes camadas de cor da obra. “É uma coreografia de troca e percepção para entendermos como essa dança passa de um corpo para o outro. Gosto de trabalhar com elementos cênicos, dá identidade aos meus trabalhos”, diz Fabiano. A obra foi premiada com o terceiro lugar na escolha do júri como Melhor Espetáculo de Dança de 2016 na enquete promovida pelo Guia da Folha. 

SÃO PAULO COMPANHIA DE DANÇA
Direção Artística | Inês Bogéa
Criada em janeiro de 2008 pelo Governo do Estado de São Paulo, a São Paulo Companhia de Dança (SPCD) é um corpo artístico da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado, gerido pela Associação Pró-Dança e dirigido por Inês Bogéa, doutora em Artes, bailarina, documentarista e escritora. A São Paulo é uma Companhia de repertório, ou seja, realiza montagens de excelência artística, que incluem trabalhos dos séculos XIX, XX e XXI de grandes peças clássicas e modernas a obras contemporâneas, especialmente criadas por coreógrafos nacionais e internacionais. A difusão da dança, produção e circulação de espetáculos é o núcleo principal de seu trabalho. A SPCD apresenta espetáculos de dança no Estado de São Paulo, no Brasil e no exterior e é hoje considerada uma das mais importantes companhias de dança da América Latina pela crítica especializada. Desde sua criação, já foi assistida por um público superior a 660 mil pessoas em 17 diferentes países, passando por mais 136 cidades, em mais de 860 apresentações. Desde sua criação, a Companhia já acumulou 21 prêmios, nacionais e internacionais. Além da Difusão e Circulação de Espetáculos, a SPCD tem mais duas vertentes de ação: os Programas Educativos e de Formação de Plateia e Registro e Memória da Dança.

INÊS BOGÉA
È doutora em Artes (Unicamp, 2007), bailarina, documentarista, escritora e professora no curso de especialização Arte na Educação: Teoria e Prática da Universidade de São Paulo (USP). De 1989 a 2001, foi bailarina do Grupo Corpo (Belo Horizonte). Foi crítica de dança da Folha de S. Paulo de 2001 a 2007. É autora de diversos livros infantis e organizadora de vários livros. Na área de arte-educação foi consultora da Escola de Teatro e Dança Fafi (2003-2004) e consultora do Programa Fábricas de Cultura da Secretaria da Cultura do Estado (2007-2008). É autora de mais de quarenta documentários sobre dança.

© 2013 Produzido por Trilogic

Voltar para o topo